18 setembro 2016

Olhómetro?


... que é a diferença de uns para os outros. Pelos vistos não!


Eu até percebo o que o Jorge Jesus queria dizer com este comentário para decifrar quais os critérios que se usa para encontrar os titulares nas suas equipas, conforme poderão ver aqui. Contudo, a sobranceria, a prepotência com que fala, como se fosse uma sumidade no assunto, já enjoa um pouco. Ainda para mais quando tudo o que diz é endeusado pelos jornalistas de conveniência. Por tudo isso, e porque o pior cego é aquele que não quer ver, prefiro usar o trocadilho do "Jota-Jota" para realçar o que realmente é importante: o futebol não tem barreiras! Até os cegos podem jogar futebol! O belo exemplo disso é a modalidade de futebol de 5 nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro 2016. Aliás, o Brasil acaba de se sagrar tetracampeão da modalidade, na final frente ao Irão (imagens que conto adicionar quando os senhores jornalistas pararem de dar importância a quem não merece para fazer o seu trabalho, até lá fiquem com as imagens dos jogos das meias-finais).






P.S.: Já agora, sabiam que para além do futebol de 5 para cegos, existe também o futebol de 7 para atletas com paralisia cerebral...



Sem comentários:

Publicar um comentário