23 julho 2016

Não há milagres...


Um olhar sobre as pré-épocas dos nossos principais adversários.

Depois de ver o jogo de apresentação do Sporting tenho clara noção de que o início de temporada deles na época passada deveu-se mais a um trabalho de continuidade de pelo menos duas temporadas (primeiro com Leonardo Jardim e depois com Marco Silva) do meio-campo leonino formado por William Carvalho, Adrien Silva e João Mário, do que propriamente pela metodologia de treino "100 anos mais avançada" que o actual treinador leonino tantas vezes gosta de realçar. São notórias as dificuldades que Jorge Jesus está a ter para encontrar o meio-campo mais equilibrado nesta pré-época quase só com derrotas goleadas. E, nem se pode falar de que o problema é a componente física. Trata-se claramente de os jogadores não estarem identificados com o modelo de jogo e não terem entrosamento entre eles. Por outras palavras, não conhecem bem os pontos fortes e fracos de cada um dos colegas e assim não conseguem complementarem-se uns aos outros. Por isso, tal como Roma e Pavia não se fizeram num dia, assim está o projecto desportivo leonino. E, isto deve ser uma lição importante que devemos retirar. Na época passada chuveram críticas a Rui Vitória, tal como ainda agora neste europeu, o Fernando Santos foi massacrado. Muitos têm de perceber que o sucesso requer trabalho contínuo. O problema no caso do Sporting é que o hype criado até agora à volta da equipa é tão grande como o tamanho do ego do ex-treinador do Benfica. Tem-lhes valido a boa da imprensa amiga. Mas, hoje o público nas bancadas de Alvalade já ficaram calados largos momentos. Veremos se até dezembro não veremos lenços brancos em Alvalade... Ah! Vai ser um fartote explorar as fraquezas defensivas do Sporting:
  • o Rúben Semedo é só físico, mas inteligência de jogo é para esquecer;
  • o Jeferson e o Schelloto gostam de marcar a linha havendo quase sempre espaço no meio-espaço, aliás, isso é um defeito das equipas do Jesus; 
  • o Petrovic é um calmeirão, mas tecnicamente não dá muito à equipa e Bryan Ruiz no meio-campo embora empreste qualidade técnica, sem bola deixa a desejar;
  • os únicos desequilibradores da equipa até ao momento é o miúdo Podence e o Slimani.

O Porto é outro dos nossos principais adversários que está a sofrer as consequências de falta de trabalho contínuo. Mas, o que mais tenho estranhado, é como o Porto tendo uma matriz histórica de modelo de jogo baseada em 4-3-3, o Nuno Espírito Santo ter tantas dificuldades em conseguir implementá-lo decentemente. O entrosamento de certos jogadores pode explicar algumas coisas. No entanto, há ali coisas que não estão a funcionar e tal deverá dever-se muito provavelmente à metodologia de treino implementada. Princípios de jogo como o de coberturas defensivas, sobretudo quando a bola chega aos pés do adversário sobre uma das faixas laterais. A adaptação de Varela a lateral direito até poderia ser uma ideia interessante se o NES não tivesse um Ricardo Pereira emprestado por França, que foi simplesmente o melhor lateral esquerdo destro da Ligue 1 francesa. Uma coisa é certa gosto da forma como o NES organizou o grupo de trabalho a cerca de 25/26 jogadores para pré-época, basicamente dois jogadores por posição, para ele poder treinar com qualidade. Os trunfos mais importantes deles parecem-me ser o trio mexicano, nomeadamente o lateral esquerdo destro Miguel Layún (que tem uma qualidade técnica ao nível do passe e cruzamento muito acima da média), o médio todo-o-terreno Héctor Herrera (que é um médio "8" muito em linha das necessidades que têm sido apontadas ao Benfica) e do extremo ambidextro Jesús Corona (que embora seja algo intermitente, é talvez o maior desequilibrador do Porto, a par de Brahimi que tem estado apagado). Destaque para o excesso de juventude a meio-campo do Porto (Rúben Neves, Octávio, João Carlos Teixeira e Quintero) e a aposta em jovens como Chidozie e André Silva, numa tentativa de seguir as pisadas do Benfica em termos de formação. Talvez por isso, não os estejamos a ouvir-los tanto, para não darem o braço a torcer. Do ponto de vista do potencial, o Porto tem uma equipa interessante, se bem que lhes falte alguma capacidade física àquele meio-campo - apenas estou a ver o Danilo Pereira e o Herrera (que se fala que vai embora) com capacidade física para se impor no jogo aéreo. Em termos ofensivos o Porto tem reflectido imensas carências e se até ao momento os seus adeptos têm tido paciência por causa do jovem André Silva, veremos quando os falhanços se acumularem se serão tão pacientes assim. E, já agora, veremos se não acontece ao NES o que aconteceu com o Paulo Fonseca.

Se na época passada William Carvalho, Adrien Silva e João Mário, funcionaram como
núcleo duro para uma temporada importante para o Sporting, com as suas possíveis saídas
a equipa se ressentirá. Do lado do Porto, os mexicanos poderão funcionar um pouco como
o trio leonino do ano passado, sendo o núcleo da equipa azul-e-branca esta temporada.





P.S. 1: Jorge Jesus tem desprezado um talento como o Bruno Paulistão. Algo deve ter acontecido com o jogador e o treinador para este preterir o talentoso brasileiro pelo Palhinha, ou até mesmo o Petrovic. Estamos a falar de um jogador na linha do Matic. Na minha opinião, o Benfica tem de estar atento ao desenrolar dessa situação, pois poderá estar aqui um caso Carrillo 2.0.

P.S. 2: Será que o Héctor Herrera vai sair do Porto? A ideia dos empresários que o colocaram lá será essa mesma e tendo em conta as contas do Porto (perdão pela redundância linguística), penso que até ao final de Agosto vamos ter mais desenvolvimentos.

9 comentários:

  1. boas pp,
    nao tendo visto os jogos deles nao posso dizer acerca de como os rivais estao, entretanto penso que o sporting a continuar com o meio campo deles, podem fazer como a epoca anterior, visto que o jejus so se preocupa com o campeonato, o que e pena pois o iuri podence gelson esgaio podem nem vir a ter muitas oportunidades e sao miudos com qualidade a espera de dar o salto. quanto ao porto e mais provavel que surpreenda esta epoca pk o plantel esta totalmente desvalorizado, ate que ponto eles nao tem um plantel forte mas que por e simplesmente o lopetegui nao conseguiu que ele rendesse?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Porto já não tem o mesmo plantel que tinha com o Lopetegui. Ele tem potencial, mas precisa de desenvolver. Não sei se conseguirão já esta temporada.

      Uma boa temporada encarnada abortará esse desenvolvimento do Porto e o do Sporting, pois são duas equipas no fio da navalha em termos de resultados desportivos.

      Eliminar
    2. Eles vão precisar de vender. Não acredito que não saia ninguém do meio-campo deles.

      E pontas-de-lança com a lesão do Spalvis ficam só com o Slimani e o Barcos, precisando de vender o Slimani. Vai ser dificil para aqueles lados.

      Eliminar
    3. Em dezembro vamos ver como eles estarão... 😉

      Eliminar
  2. Não tendo visto os jogos, parecem-me planteis muito desequilibrados. O nosso é de longe o mais completo. Falta-nos apenas um médio box-to-box, na minha opinião e acho que é consensual.

    Temos tudo para o TETRA.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O médio "8" que dizem que nos falta até pode ser o projecto do Rui Vitoria esta temporada. Ele tem jogadores com potencial para isso.

      É preciso trabalhar.

      Eliminar
  3. Xungo, apaga este

    ResponderEliminar
  4. Parabéns então pela excelente forma do SLB e pela conquista da Taça Eusébio :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai-te foder, lagartixa.

      Eliminar