09 abril 2018

10 minutos infernais a cantar...


... no clássico do próximo domingo.

No próximo domingo, joga-se o clássico mais importante da época, frente ao Porto que durante mais de 10 meses atacou-nos de todas as formas e feitios, em compadrio com o Sporting, para nos destronarem na luta pela possibilidade do histórico P3N7A. Um jogo em casa, no qual podemos e devemos recriar o espírito do Inferno da Luz. E, é exactamente por esse espírito que os Benfiquistas, nas mais diversas redes sociais, começam a mobilizarem-se para cantar o "Eu Amo o Benfica" nos primeiros 10 minutos do clássico domingueiro. Acho fantástico esta capacidade de auto-mobilização por parte dos nossos adeptos, acabando por dar uma grande lição aos adversários que não é necessário ter-se uma claque para se fazer espectáculo. O próprio Benfica, enquanto clube atento ao que se vai passando e, provavelmente, preparando um evento que possa reforçar o espírito próprio deste importante embate na caminha rumo ao 37, soube unir-se a esta ideia, pelo que difundiu hoje durante a tarde, com o seguinte vídeo. Mais uma vez, o nosso departamento de marketing dá mostras de grande qualidade (assim como na recente campanha do IRS para a Fundação Benfica).



Perante este cenário, sinto uma áurea pré-jogo como aquela que foi vivida há uns anos atrás, imediatamente após o falecimento do nosso King. Um jogo de um só sentido em que uma atitude muito personalizada, assente numa entrega muito intensa e agressiva, com um sentido táctico e colectivo enormes, foi possível deixar um Porto sem qualquer resposta. Perante esta possibilidade e esta envolvência a ser criada para o clássico, interrogo-me qual a estratégia que o Rui Vitória estará a preparar para este encontro. Se por um lado, o Benfica com a vantagem pontual de um ponto sobre o Porto, que agora é segundo, poderá, à partida, optar por um estilo de jogo baseado em contenção e saídas rápidas em contra-ataque. Por outro lado, o Benfica pode ser igual a si próprio, ou seja, manter o mesmo estilo de jogo de ataque posicional e controlo da posse de bola.





Vejo vantagens e desvantagens nos dois estilos. Se optarmos pelo contra-ataque, podemos criar muito perigo ao Porto, pois este estando em desvantagem vai-se expor muito mais na tentativa de querer ganhar a partida para passar para a frente do campeonato. No entanto, o ataque posicional do Porto está longe de ser o melhor, como se viu frente ao Paços de Ferreira e ao Belenenses. Pior ainda, está o comportamento na transição defensiva dos azuis-e-brancos, algo que o Benfica poderá explorar muito bem. Contudo, começar o jogo na Luz na retaguarda, perante uma equipa que nos causou tantos problemas fora de campo, com os nossos adeptos cheios de energia para nos apoiar e a exigir que se faça justiça dentro do relvado, essa postura mais defensiva poderá ser contraproducente. Por esse motivo, sermos iguais a nós próprios, apostando num futebol mais apoiado, superior e muito pressionante no meio-campo adversário, poderá ser o mais conducente para este jogo. Como desvantagem desta opção, vejo o risco que teremos contra as transições ofensivas rápidas do Porto, pois são uma equipa forte, sobretudo, se o Marega for a jogo. Por tudo isto questiono qual será o melhor estilo a adoptar pelo Benfica no clássico de domingo?



24 comentários:

  1. António Madeira10/04/18, 01:53

    O melhor estilo?

    ".. sermos iguais a nós próprios, apostando num futebol mais apoiado, superior e muito pressionante no meio-campo adversário,..."

    Sem dúvidas!

    ResponderEliminar
  2. Estes jogos costumam ter alternância nos períodos de domínio e de postura das duas equipas. Eu acho que devemos entrar próximo da matriz habitual, a tentar impor o nosso jogo de posse e presença no meio-campo adversário. E depois, escolher criteriosamente os períodos para baixarmos as linhas e explorar as costas da defesa portista.

    Chegando primeiro à vantagem no marcador, não me parece nada mal assumirmos uma postura mais defensiva e uma aposta clara no contra-ataque.

    Em relação ao Onze, e partindo do princípio que o Jonas recupera, será para voltar ao habitual. Só estou indeciso entre o Rafa e o Salvio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade Chama. E concordo em absoluto com a postura que devemos ter inicialmente, até para ir de encontro com estes 10 minutos infernais.

      Depois sim, poderemos controlar o jogo nessa toada, se bem que eu gostaria que este fosse o jogo em que o modelo de posse do Rui Vitória funcionasse na perfeição, demonstrando uma superioridade dentro de campo semelhante àquela que o Barcelona apresenta nos jogos contra o Real Madrid.

      Sobre o onze titular, estou indeciso entre o Cervi e o Raúl, caso o Jonas recupere. Ou então entre o Cervi e o Grimaldo. Na direita, o lugar é do Rafa para partir o Telles. É um jogo que o Rafa vai ter muito espaço.

      Eliminar
    2. Não sei se concordo com a lógica do "pôr-mo-nos em vantagem e depois repousar". O RV lá nisso sabe gerir os ritmos, mas essa postura costuma em alta competição não correr bem e acho que é arriscada. Uma coisa é gerir os minutos finais, outra será gerir um jogo inteiro.

      Muita gente ligada à psicologia do desporto revela que, quando a proximidade entre perseguido e perseguidor é pequena, é frequente o perseguido claudicar mentalmente na recta final. Não seria estarmos a expôr-mo-nos a isso.

      Eliminar
    3. Muitas vezes é o próprio desenrolar do jogo que vai ditando a estratégia a adoptar. Nesse aspecto, acho que o nosso treinador e os nossos jogadores têm alguma vantagem, pela experiência acumulada, na interpretação dos vários momentos e tendências do jogo.

      Se nos for possível estar sempre em cima deles e nem os deixar sair, como fizemos nos primeiros 20/30 minutos no Dragão, óptimo! Mas duvido que isso aconteça durante 90 minutos.

      A minha ideia não é propriamente ficarmos a descansar em cima duma eventual vantagem no marcador, mas sim tirarmos partido dela se a conseguirmos alcançar. O Porto não é assim tão forte em ataque organizado/posicional, é mais na base da correria e pancadaria. Se a dada altura baixarmos as linhas, fica mais difícil para eles e podemos lançar as nossas motas...

      Eliminar
  3. Vai ser o jogo do título.

    Podem adicionar aos links?
    http://www.benfica1904.pt/

    ResponderEliminar
  4. Este é o jogo do título - se ganharmos, temos caminho livre para o penta. Embora o empate nos permita manter a liderança, pode implicar ter que ir ganhar a Alvalade obrigatoriamente...Por isso, e para capitalizar a recente viragem psicológica, patrocinada por Paços e Belenenses, acho que temos que jogar para ganhar - e não para não perder. Fundamental ganhar para dar a machadada final no balneário frutista!

    Portanto, acho que a tua pergunta é muito pertinente e deve reflectir um dilema do próprio RV, por esta altura. A minha resposta é claramente manter o nosso modelo de ataque posicional, apoiado e dominador, e superiorizar-se ao modelo kick and rush à Inglaterra anos 90 dos frutistas. O modelo deles não passa muito de bola longa para o espaço do Marega ou bola longa para o pé de Brahimi, que invade o espaço interior em condução e drible...o que implica que nós, mantendo o nosso modelo de posse, temos que ter também uma estratégia que impeça, na perda de bola, que a bola chegue ao pé do Brahimi ou ao espaço do Marega...

    Ou seja, manter o modelo sim, mas com estratégia em cima do modelo.

    Se vamos jogar para não perder, dando a bola ao Fruta Corrupção Pancadaria e apostando no contra-ataque, estaremos mais longe de ganhar e mais perto de perder. Porque num jogo mais directo com ataque mais rápido, os duelos físicos ganham mais importância e aí eles são muito superiores; porque iríamos baixar linha defensiva e potencialmente voltar a ter os problemas da primeira parte da época; e porque iríamos desperdiçar a vantagem psicológica da liderança recente e do Inferno da Luz...

    Resumindo: carregaaaaa Benficaaaaa!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E possível ganharmos-lhes em contra-ataque e acredito que durante a partida poderá haver momentos em que concedemos a posse de bola a eles. No entanto, eu também prefiro controlar a posse de bola o tempo todo. Vamos ver... Mas acho que vamos jogar como fizemos contra o Sporting.

      😉

      Eliminar
    2. Partilho a esperança que seja jogar para ganhar. Depois ganhando em Alvalade fazemos a festa em casa. E depois vamos dizer mal de RV e do Sálvio para o Marquês!

      Bom, agora a sério. RV salvo erro só nunca ganhou ao Porto desde que é treinador do Benfica. Espero que seja desta que mata esse borrego, porque no primeiro ano, quando foi preciso, também matou o borrego Sporting.

      O que tenho mais saudades dos tempos de JJ é mesmo de como na recta final entrávamos nos derbies e nos clássicos com a "certeza" que pior que empate não dava.

      Eliminar
    3. 'E depois vamos dizer mal de RV e de Salvio para o Marquês' ahahahah

      E quando já nos estivermos a babar para a tal sarjeta Gloriosa, começamos finalmente a dizer bem...do Zivkovic, do Rafa, do Grimaldo, do Rúben Dias, do Krovinovic e do Jonas!

      Se jogarmos com o nosso modelo de jogo actual e com estratégia para ganhar, cheira-me que é desta que o Benfica de RV vai finalmente ganhar ao Fruta Corrupção Pancadaria! 😉

      Eliminar
    4. R.B., quando escreves «entrávamos nos derbies e nos clássicos com a "certeza" que pior que empate não dava» não queres dizer melhor em vez de pior?

      ;P

      Eliminar
    5. B.P., espero bem que sim.

      ;)

      Eliminar
    6. Quando digo isso precedido de "na recta final", quero dizer isso mesmo.

      Eliminar
    7. Para mim pior que empate é derrota. E como no final da época a equipa já estava de rastos, pensava que não esperavas melhor que um empate...

      😉

      Eliminar
    8. PP, acho que a 'recta final' do RB se refere às últimas épocas de JJ no Benfica - eu diria 2013/2014 e 2014/2015 - não à parte final das épocas...

      E a verdade é que ele tem razão - mesmo pensando nos 6 anos, jogou 15 derbies, ganhou 11, perdeu 1 e empatou 3!!...claro que os números com o Fruta Corrupção Pancadaria não são estes, mas os clássicos na era dele foram muito mais equilibrados (em regra) do que eram nos 15 anos anteriores a ele. E ganhámos vários, empatámos outros tantos, perdemos também uns quantos. Mas perdemos sobretudo nos primeiros anos de JJ, nas duas últimas épocas, realmente, pior que empate não era. Até houve um par de humilhações inflingidas por nós a eles, incluindo aquela deliciosa final da Taça da Liga e a eliminação em duas mãos de uma das Taças, poupando 5 titulares no Dragão e 8 titulares na Luz, por causa da Liga Europa!...

      Eliminar
    9. Pois, já eu não me esqueço dos 5-0 no dragão e do campeonato do Kelvin...

      😒

      Eliminar
    10. Essa foi tão previsível como um metrónomo, oh PP...

      Achas mesmo que algum benfiquista esquece esses dois pesadelos? Por isso mesmo é que disse 'em regra' e fiz a distinção entre os primeiros anos e os últimos dois...

      Eliminar
    11. Amanhã, espero mesmo que o Benfica ganhe amanhã ao Porto sem deixar dúvidas.

      Eliminar
    12. Também eu! E como já escrevi, se mantivermos o nosso actual modelo de posse e futebol apoiado, com Grimaldo e Jonas no onze, acho mesmo que vamos ganhar!

      Partindo do princípio que o jogo vai ser limpo, ou seja, partindo do princípio que o Artur Super Dragão não nos volta a roubar três penalties em três minutos!

      Eliminar
    13. Eu penso que com o Cervi na ponta esquerda, a tendência é para o Felipe ficar muito solto para disputar os lances com o Jonas. Com o Raúl no onze, terá muito mais trabalho sem bola.

      Eliminar