19 maio 2016

Só falta mais um jogo...


... para terminar a temporada para o Benfica!


"O Bom, o Mau e o Vilão" novamente em exibição.
Será que o nosso "herói" vai, desta vez, conseguir
levar a melhor sobre os outros?
Amanhã, sexta-feira, dia 19 de Maio de 2016, joga-se pelas 19h45 a final da Taça da Liga CTT da temporada de 2015-2016, entre as equipas do Marítimo e do Benfica, no estádio Municipal de Coimbra. Frente a frente duas equipas que curiosamente, há pouco mais de duas semanas se defrontaram no estádio dos Barreiros, na Madeira. Encontro esse, marcado pela carga emocional do Benfica na luta pelo título, mas também com um Marítimo a querer vender cara a possível derrota, com um especulativo jogo de bastidores à mistura - não é normal a equipa madeirense poupar os principais jogadores num jogo frente a uma equipa do seu campeonato para jogar exclusivamente com o Benfica e para além disso a especulação do "jogo da mala" era bastante forte. Para ajudar ao clima de suspeição e de guerrilha instalado na luta pelo título - por parte dos adversários do Benfica, é bom que se sublinhe isso! - o árbitro desse encontro, expulsou o Renato Sanches de forma incorrecta, pois o (ainda) "miúdo-maravilha" do Benfica, não deveria ter sido admoestado com o primeiro cartão amarelo. A propósito, talvez tenha sido por tudo isso que «houve momentos em que os adeptos do Benfica não estiveram ao nível da elegância e qualidade que a equipa mostrou», conforme dizia o treinador dos verde-rubros hoje na conferência de imprensa conjunta que antecede a final. Se calhar, isso aconteceu porque não foram elegantes com elas e como comportamento gera comportamento... já pensou nisso Nelo Vingada? Por vezes, perdem-se boas oportunidades para se estar calado... De qualquer maneira, estou curioso para ver como o Renato vai lidar desta vez com a situação, pois as condições vão ser exactamente as mesmas: vai lá estar o "bom" do Renato, o "mau" da equipa maritimista e o "vilão" do árbitro Fábio Ferreira. Pessoalmente, penso que o miúdo vai querer despedir-se do Benfica em grande, com uma esplendorosa exibição e um golaço de levantar o estádio, pois para além de disputar o último encontro e final desta época, também disputa o último jogo com a camisola do Glorioso. Da carga emocional não escapa o rapaz...

O meu 11 titular para atacar a sétima taça da Liga.
Relativamente à equipa encarnada... o técnico encarnado já avisou que «os níveis de concentração vão ter de subir». Esta mensagem foi endereçada para dentro e fora do grupo para evitar desleixo depois da celebração do tricampeonato no domingo passado. Concordo, que o tenha feito, assim como concordo que tenha convocado para este encontro todos os jogadores que fazem parte do plantel principal do Benfica, excepto os lesionados Júlio César e Nuno Santos. Até mesmo o marroquino Taarabt foi chamado para este encontro. Sobre quem jogará amanhã... o Rui Vitória referiu que era provável que houvessem alterações no onze titular. Assim sendo, eu entraria com o seguinte onze: Ederson na baliza (senti-me muito tentado em dar a titularidade ao Paulo Lopes); quarteto defensivo formado por Sílvio na direita (o Nélson Semedo também poderia ser uma hipótese, mas como penso que o emprestado pelo Atlético de Madrid deverá sair no final da temporada...), Luisão e Lindelöf como centrais (tal como foi frente ao Sporting de Braga, mas se o Lisandro estiver disponível...), e Eliseu na esquerda (que não jogou o jogo do título no domingo); quarteto de meio-campo composto por Salvio na direita, Samaris e Sanches no centro e Carcela na esquerda (como aconteceu frente ao Sporting de Braga); lá na frente Jonas e Raúl (este está a merecer a titularidade num jogo destes já algum tempo). Depois, gostaria de ver ainda jogar o Talisca (substituir o Samaris), o Jovic (substituir o Jonas) e... o Taarabt (substituir o Salvio).




P.S.: Depois da saída confirmada do Renato Sanches, a imprensa pública começa a querer vender os jogadores do Benfica quase todos. Ederson, Jardel, Lindelöf, Talisca, Taarabt, Jonas e Salvio são os nomes citados nos últimos tempos. Se juntarmos o nome de Sílvio que poderá regressar ao Atlético de Madrid depois de terminar o período de empréstimo ao Benfica, mas também o interesse de clubes espanhóis em Gonçalo Guedes e Nélson Semedo, estamos já a falar em 9 jogadores a serem cobiçados. Como é óbvio, não desejo que saem todos estes, mas para além de ficar contente com este interesse, também sou realista o suficiente para saber que o Benfica deve fazer os melhores negócios. E, para isso, não pode apenas olhar para a curva de valor do jogador e a sua abertura para sair, mas também deve acautelar muito bem as saídas de jogadores. Por exemplo, se sair o Ederson ficarei triste, mas temos o Júlio César que em boas condições é titularíssimo. Se sair o Lindelöf também ficarei nostálgico. No entanto, nem que o Samaris faça aquela posição. Aliás, isso abriria um lugar no meio-campo para o regresso de outro grande investimento encarnado nos últimos anos, para a posição de médio-defensivo: Bryan Cristante. E, são precisamente este tipo de dinâmicas que pretendo que haja caso as transferências se efectivem. O importante é que se mantenha a química da equipa, para que este sentido colectivo, de pertença, de família... i.e., esta mística encarnada se mantenha. Para isso, convinha não vender jogadores como o Jonas.

Sem comentários:

Publicar um comentário