28 dezembro 2016

Quando o último jogo do ano...


... é o primeiro da Taça da Liga.


É normal que por esse motivo se defenda que se utilize os habituais titulares, mas a verdade é que a equipa de Rui Vitória precisa de aumentar o seu leque de opções para os meses de todas as decisões desta temporada, i.e., lá para fevereiro e março. Por essa altura, vamos estar envoltos na luta pelo tetra, mas também a lutar pelos quartos de final da Liga dos Campões, assim como na Taça de Portugal e esta Taça da Liga. Por isso mesmo, é importante que possamos recuperar jogadores como o André Horta (o substituto natural de Pizzi na posição "8"), o Jonas (muitas esperanças com a sua entrada na equipa), o Zivkovic (um talento natural), o Carrillo (que mais que assobiado precisa de ser acarinhado por todos nós), mas também integrar jogadores como o Rafa (que está cada vez mais entrosado no onze), o Raúl (que está a conquistar o seu espaço por direito), o Cervi (que está cada vez mais influente no onze), o Samaris (que será fundamental para reforçar o meio-campo), para além de Jardel e Lisandro (que serão fundamentais para o refrescamento da linha defensiva). Depois faltará recuperar os restantes lesionados: Eliseu e Grimaldo.

«Não é rodar por rodar.»
Por Rui Vitória

Onze e substituições do Benfica frente
ao Paços de Ferreira.
A lesão dos nossos dois laterais esquerdos de raiz, com datas para recuperação completa só para janeiro, obriga a que tenhamos de testar soluções para essa posição. O técnico encarnado tem testado o polivalente André Almeida para resolver essa questão e quanto a mim bem. Aliás, acredito que esta solução pode oferecer ainda mais à equipa, nomeadamente, a variabilidade do sistema de jogo encarnado de 4-4-2 para 3-4-3, muito útil perante equipas que joguem com 5 defesas e duas linhas compactas de 9 jogadores em 20 metros de comprimento. Por outro lado, é preciso ver que o Nélson Semedo tem sido o jogador mais utilizado pelos encarnados esta temporada e, atendendo, à questão do lateral esquerdo referida atrás, é importante, portanto, que o André Almeida tenha também rotinas jogando como lateral direito, e termos outra solução para lateral esquerdo. É por aí que nasce a ideia de adaptar o Cervi a esta posição. A meu ver faz todo o sentido, sobretudo, se for para jogar no estádio da Luz perante adversários mais defensivos. O argentino será sempre um falso lateral e uma solução de recurso. Em boa verdade, até poderá ser também visto como uma solução para uma situação de risco elevado no alcance de uma vantagem no marcador num jogo mais fechado ou na busca de um empate num jogo mais complicado. Por todos estes motivos, seleccionei os seguintes jogadores e as seguintes substituições para o jogo de amanhã, como podem ver pela figura ao lado.



10 comentários:

  1. Outra vez o Carrillo? Já não é demais??????

    Viva o Benfica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É preciso apoiá-lo neste momento. 😉

      Eliminar
  2. Vai jogar o onze titular com, máximo, duas alterações.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E qual é o "onze" titular do Benfica?

      Eliminar
    2. O das ultimas semanas, Ederson, Semedo, Luisão, Lindelöf, Almeida, Fejsa, Rafa, Cervi e Guedes. Jimenez ou Mitroglou, acho que joga o grego; no lugar do Pizzi numa situação normal jogaria o Horta mas como está parado há muito tempo não sei quem o vai substituir.

      Eliminar
    3. Não me importava mesmo nada de ver o camisola 7 ao lado do Fejsa. Gosto dessa ideia, até porque acho que ambos terão que jogar em simultâneo em certos jogos.

      Eliminar
    4. Antes também achava que podiam jogar juntos mas, ultimamente , quando aconteceu só se atrapalhavam um ao outro. Claramente, descem de rendimento quando coincidem.

      Eliminar
    5. Penso que tem muito a ver com o contexto com que jogam e a preparação que têm antes desses jogos.

      Acredito que nos treinos, o substituto do Fejsa na posição "6" seja o Samaris, assim como o André Horta é do Pizzi na posição "8".

      Eliminar
  3. Viva PP!

    Também já tenho pensado nessa solução provisória e pontual de utilizarmos o Cervi como falso lateral esquerdo. Mas deixaria essa experiência para a próxima 3ª feira frente ao Vizela. Hoje, pelo sim, pelo não, mantinha o André e o Nelson nas laterais. E o Ederson na baliza.

    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como vamos jogar na Luz e contra um Paços de Ferreira muito longe de ser a equipa que já foi nos passado recente, não acho que fosse má opção, até porque o Semedo tem sido titular e precisa de jogar menos agora.

      Eliminar