21 novembro 2014

Amigável: Portugal - Argentina


Excelente jogo de preparação para Portugal.


Bom teste para Portugal
Uma vitória sobre a vice-campeã do mundo Argentina. Um jogo que serviu para rodar a maioria dos habituais titulares. Um jogo que serviu para testar novas nuances tácticas. Um jogo para incorporar novos jogadores na selecção nacional. O que mais poderíamos pedir? Talvez uma exibição mais colorida do capitão da selecção nacional: Cristiano Ronaldo.

Duelo a meio gás
Muito se falou deste encontro por causa do duelo que muita gente pretendia ver este verão no Brasil: Ronaldo - Messi. Ontem, em Old Trafford, só deu para ver 45 minutos de um duelo muito resfriado. Tanto o capitão Argentino como o capitão Português só a espaços deram o ar da sua graça. A meu ver Messi à direita, como nos velhos tempos em que iniciou na equipa titular do Barcelona, desgasta-se imenso. É quase um crime vê-lo ali. Se frente a Portugal, que não tinha uma ala esquerda muito forte, teve problemas em ajudar o lateral direito, imagino frente a uma Alemanha... Ups! A última vez que vimos, foi na final do Maracanã... com o resultado e exibição que se viu! De qualquer maneira, também percebo as dúvidas de Tata Martino, pois tem lá para a frente jogadores como Messi, Higuaín, Aguëro, Tevèz, Di Maria, Lavezzi e Gaitán, entre outros. Não deve ser fácil decidir...

Do lado Português, o leque de escolhas é muito inferior: Ronaldo, Nani, Danny e Ricardo Quaresma. Para mim, estes são presentemente os 4 melhores atacantes da selecção nacional. Éder e Postiga são apenas avançados referência porque os jogadores estão demasiado formatados no 4-3-3. Quando soltarem dessa formatação, irão descobrir que não é necessário ter avançados referência para chegar ao golo, pelo menos, daquela qualidade... Aí a questão será saber quem irá acompanhar o Ronaldo no ataque. Aliás, a exibição do actual melhor jogador do mundo, só não é superior, devido às faltas de dinâmicas do restante colectivo.

Ronaldo e Messi estiveram em campo na 3ª feira literalmente apenas para inglês ver!

A necessidade de um canhoto a meio-campo
Mais uma vez, como nos últimos encontros da selecção, ficou patenteado que a nossa ala esquerda carece de alguém que ajude de forma eficiente o lateral esquerdo, quer nas suas funções defensivas, como ofensivas. Não gostei de João Moutinho (no início do jogo), nem de Tiago (depois durante o resto do jogo), na posição de interior/ala esquerdo. O camisola 8 tem a intensidade necessária, mas perde no desposicionamento que efectua nas suas movimentações internas, deixando a ala esquerda um pouco ao abandono. Por outro lado, Tiago, não tem o nervo necessário para a posição e acabava por ficar mais próximo do centro do que da ala, um pouco como joga no campeão espanhol.

Há dias, escrevi aqui que o melhor parceiro de Tiago seria um William Carvalho (ou um André Gomes), pois seria um médio centro mais ao estilo de Gabi, i.e. mais defensivo. Parece que Fernando Santos ouviu as minhas preces e tentou incutir uma espécie de 4-4-2, com Moutinho na faixa da esquerda, Nani na direita e o duplo pivot de meio-campo Tiago e André Gomes. Desde cedo percebeu, que Tiago não estaria preparado para ser um "Gabi", mas sim um Tiago do Atlético de Madrid. Daí que tenha pedido para que fosse o André Gomes a assumir a posição de médio mais defensivo. Depois percebeu, o que já tinha sido visível no encontro frente à França e Dinamarca: falta claramente um esquerdino na equipa. Sobretudo, quando joga em 4-1-2-1-2 (4-4-2 em losango no meio-campo). Quer João Moutinho, quer o próprio Tiago não são os mais indicados para aquela posição. Por isso mesmo suspiro pela recuperação de Coentrão.

Recordar que o caxineiro é extremo de formação e já foi aproveitado pelo José Mourinho no meio-campo "blanco" com muito sucesso. Dada a sua técnica, inteligência táctica e capacidade física, seria o ideal para complementar o lateral esquerdo, mas também ajudar o meio-campo e o ataque. Ainda para mais, quando à sua frente estaria um Ronaldo.

Um Guerreiro que poderá(ria) ser da Luz
Não será crime nenhum dizer que o Benfica só não tem este talentoso português no plantel porque não quer! Não me venham dizer que não conheciam o Raphaël Guerreiro e que ele é uma estrela em ascensão!? Então como explicam as razões avançadas para a contratação do Loris Benito?! Ou será que toda a gente já conhecia o suíço?!

Não quero que me interpretem mal: não tenho qualquer problema com o Benito. Aliás, acho-o um lateral com algumas características que o possam ser uma mais valia. No entanto, não considero que seja mais talentoso que o Raphaël. Sendo assim, e porque os dois tinham no verão passado o mesmo preço de mercado, pergunto: porque é que se apostou na contratação do suíço e não no luso-francês?

A única explicação que possa encontrar é que o Benfica deu preferência em fazer negócio com um representante que provavelmente usufrui de uma relação privilegiada com o Benfica. Se entendo que num mundo onde a rede de contactos é fundamental para conseguir o que se quer, e como tal, é importante saber criar relações, também penso que deveremos ser exigentes com o que queremos e não podemos deixar de ser governados de fora para dentro, nestas questões. O caso do Benito não é singular e isolado. É sim a regra em todos os defesos. E, isso é que deixa-me deveras preocupado. Quantos "Guerreiros" vamos continuar a perder assim?!

Quero terminar esta temática do Raphaël, enaltecendo não só o excelente golo de "peixinho" que marcou frente à selecção vice-campeã mundial e logo na sua segunda internacionalização "A", como também a sua exibição quando foi chamado para render o lesionado Tiago Gomes, nesse mesmo encontro. Foi maduro, esperto e matreiro, tendo em conta que tem apenas 20 anos. Soube fechar o seu flanco (nem sempre bem, porque na realidade o sistema de compensações nessa ala não está afinado, conforme já discutimos atrás) e soube fundamentalmente dar-lhe profundidade. Aliás, o luso-francês é um lateral esquerdo muito ofensivo, bem ao estilo do que o Benfica precisa... e porque este é um artigo sobre a selecção nacional, porque não dizê-lo que poderá ser futuro a médio prazo da equipa das quinas? Mais, com a minha ideia de Coentrão a subir no meio-campo, com um Eliseu a ser mais um extremo que um lateral, abriria vaga, não só para o Antunes (que tem sido dos melhores laterais esquerdos da La Liga), como também para este jovem Raphaël Guerreiro.

Gaitán e Guerreiro, talvez os dois melhores jogadores em campo das duas selecções...
bem que poderiam formar a ala esquerda do Glorioso, não acham?


P.S.: E o Ricardo Quaresma lá vai entrando e fazendo das suas... será que já merece a titularidade? Para mim, disputará sempre o lugar com o Danny.

Sem comentários:

Publicar um comentário