07 setembro 2012

Que opções temos para a posição "6"?

A saída de Javi Garcia e de Witsel, deixou-nos um pouco órfãos de um médio defensivo, tendo neste momento apenas o sérvio Nemanja Matic no actual plantel da equipa principal do Benfica.
Será que os jogadores para esta posição da equipa B deixam-nos tranquilos quanto à qualidade nessa posição? Quais são essas opções?
Ou será que temos de ir ao mercado de inverno? Nesta situação, será que alguns dos jogadores emprestados poderá voltar e ser interessante? Ou teremos que despender umas valentes quantias para assegurar um reforço de qualidade inequívoca? Neste contexto, que soluções existem no mercado? 



Matic: de suplente do suplente a titular

Com a saída de Javi Garcia
e do belga Witsel, Matic tem
a titularidade assegurada.
Sem mais ninguém com rotinas e características dentro do plantel da equipa principal do Benfica, cabe a Matic a dura, mas também ambiciosa tarefa de substituir Javi Garcia, como médio de características mais defensivas da equipa. O camisola 21, pode não ter tido a formação como médio-defensivo, mas tem todas as características e mais algumas para vir a dar uma aposta ganha no futuro. Caberá a Jesus ter atenção às suas características e saber entender elas para que não se arranje bodes-expiatórios se as coisas correrem mal.

Em termos posicionais e tácticos, penso que com o perfil técnico do sérvio, o Benfica poderá jogar de forma diferente, sobretudo na forma como sai para o ataque ou se posiciona em ataque organizado. Na saída para o ataque, é comum vermos a descida do médio mais defensivo para o espaço entre os centrais, que abrem em termos de largura, com a subida dos laterais. Aqui, um jogador com a qualidade técnica do Matic, poderá permitir ter dois homens (Garay é outro com excelente técnica para sair a jogar) na zona, capazes de sair a jogar e quebrar a primeira linha de pressão adversária e com um nível de passe curto-médio-longo muito acima da média. Em ataque organizado, Matic poderá deixar de ser um pêndulo mais fixo no meio-campo, como acontecia com o Javi Garcia, para com a sua técnica poder fazer um ou outro movimento de ruptura, um pouco à imagem do que o Yaya Touré faz no City, quando joga na posição "6". É importante dar essa liberdade a este jogador, pois tem no seu sangue a criatividade de um "8" e até mesmo de um "10", muito embora pense que ela não seja a necessária para uma equipa como a do Benfica. No entanto, não devemos desperdiçar esta sua capacidade.

Em termos defensivos, ele pode jogar como pivot defensivo clássico, embora seja amarrá-lo um pouco lá atrás. Não obstante, e dado que a maioria dos adversários do Benfica durante a temporada são de nível inferior, dando aquela liberdade mencionada acima, Jesus terá que se precaver com uma nova forma de fazer as compensações defensivas. Por outro lado, penso que subindo o Matic, se subir a nossa linha defensiva, com Luisão e Garay (muito trabalho e muita concentração terão que ter estes dois!), penso que podemos até ficar com um Benfica bem mais pressionante, tecnicista e de futebol mais apoiado com elevada percentagem de posse de bola.

Em bolas paradas, penso que não se perde em nada para o espanhol, até porque Matic é um jogador agressivo no jogo aéreo, ganhando muitos lances à custa desse factor e do seu posicionamento. Depois fisicamente, ganhamos centímetros nessa posição do meio-campo (embora na média com o outro médio centro, devemos ficar com o mesmo valor que a dupla Witsel-Javi).

Quanto ao perfil mental e comportamental, o Matic é diferente do Javi Garcia. É um jogador aparentemente, menos temperamental, mais frio nas suas acções, mas embora não sendo tão carismático, talvez por ser mais introvertido que o espanhol, não significa que não possa ter os seus trunfos e o seu espaço no balneário.

Uma coisa é certa, não podemos pensar que o Matic é um jogador que joga da mesma maneira que o Javi Garcia.


Quem será o substituto do Matic?

Com o mercado fechado, jogadores já emprestados, a solução mais racional para encontrar um substituto do sérvio para médio-defensivo, apresenta-se na equipa B encarnada. De facto, a equipa de Norton de Matos tem dado a conhecer os jovens cheios de potencial que o Benfica tem formado. Jogadores como o André Almeida e o Leandro Pimenta, são talvez as melhores soluções neste momento para a posição de médio-defensivo. O André Gomes, também poderia ser uma solução, mas penso que está mais vocacionado para outras funções, mais criativas e ofensivas, no meio-campo.

André Almeida tem aparecido
em excelente forma neste
início de época na equipa B
do Benfica.
Se estão à espera de descobrir um Javi Garcia em potência penso que o jogador que mais se pode assemelhar ao espanhol talvez seja o André Almeida. Contudo, devemos salientar que este jogador das escolas do Belenenses, fez a sua formação como um médio de características mais ofensivas, pelo que o seu recuo para médio defensivo começou na época passada à frente do União de Leiria, posteriormente interrompido quando ingressou na equipa principal do Benfica a lateral direito (e que muito estereotipo errado foi criado à boleia das suas exibições nessa posição daí muita gente a desconfiar desta opção), mas restabelecido esta temporada na equipa B encarnada. Uma nota importante: a equipa B joga com um duplo pivot a meio-campo, que é formado por jogadores que não sendo "trincos" de raiz, conseguem em combinação fazer a função defensiva e dar um "pulinho" ao ataque, daí que este André Almeida consiga fazer golos em remates de fora-da-área. Mais, vejo-o mais solto em campo, mais extrovertido, mais confiante e disso nota-se bem algumas notas artísticas.

O Leandro tem sido a pitada
de pimenta necessária para
as exibições de grande nível
do meio-campo da equipa B.
Se já possuímos uma espécie de Javi Garcia, Leandro Pimenta poderá ser visto como uma espécie de Matic da equipa B. Talvez estas comparações sejam um pouco injustas, pois na verdade ninguém é igual. No entanto, Leandro Pimenta é um médio tal como o Matic capaz de fazer a posição "6", preferindo um estilo de jogo mais "low profile", frio e tecnicista. No entanto, não pensem que não gosta de "sujar os calções" ou "virar a cara à luta". É dos jogadores encarnados que mais tem evoluído fisicamente, embora não seja um jogador muito alto. A meu ver, destaca-se pelo seu excelente pé canhoto capaz de meter a bola onde quer, daí ser um "habitué" nos lances de bola parada. Joga simples, tem excelente capacidade de passe e tem uma protecção de bola muito acima da média. Como é óbvio tem ainda muito a aprender, mas penso que poderá ser uma excelente opção para médio-defensivo da equipa A.

Com estes dois jogadores, penso que o Benfica pode fazer a "festa" durante pelo menos até Janeiro. Esse espaço de tempo, permitirá não só para estes jogadores amadurecerem como também para o técnico encarnado poder verificar in loco a maturidade competitiva de ambos.


E em Janeiro? Mercado ou emprestados?

Dependendo da evolução das hipóteses vindas da equipa B, o Benfica poderá ir ao mercado ou fazer regressar alguns dos seus jogadores emprestados. A primeira questão prende-se com a possibilidade ou não de poder chamar de volta jogadores como Rúben Amorim, Nuno Coelho e Airton dos seus clubes. Escrevo estes três, pois são aqueles que têm o perfil necessário para desempenhar a função em discussão e estão emprestados.

Não obstante, cada um apresenta características diferentes, muito embora o Nuno Coelho e o Airton poderemos qualificá-los de "trincos" puros, i.e., médios defensivos de cabeça de área, daqueles que raramente sobem no terreno e ficam atrás, formando com os centrais, um trio que permita jogar em compensações nas transições defensivas. Já o Rúben Amorim, é um médio mais ao estilo de um Raul Meireles, um "8" que pode muito bem desempenhar as funções de "6", sobretudo num meio-campo a dois.

Rúben Amorim, emprestado ao
candidato ao título Sporting de
Braga e que agora daria muito jeito
estar no plantel encarnado.
Olhando para a visão do modelo de jogo do Benfica, penso que o Rúben Amorim seria o senhor a desejar voltar para a Luz, tal a sua polivalência, como inteligência táctica e reportório técnico. É daqueles jogadores "low profile" que cumprem e fazem jogar a equipa. Uma autêntica "formiga". Contudo, não estou a ver José Peseiro abrir mão deste jogador, nem tão pouco Jesus querer o ex-camisola 5 de volta. Para além disso, com o Braga a actuar na Liga dos Campeões e o ex-capitão do Benfica já inscrito, um possível retorno em Janeiro impossibilitaria de utilizá-lo na Liga dos Campeões...

Continuo a não entender o seu
empréstimo quando já se advinhava
a venda do Javi... mais um exemplo
de "excelente" gestão desportiva.
Sobra-nos Nuno Coelho e Airton. Entre os dois, penso que o português leva vantagem por vários motivos. Primeiro, está muito mais identificado com o ritmo de futebol europeu que o Airton. Segundo, a evolução do Nuno Coelho, em termos de futebol jogado e experiência competitiva, face a do Airton é superior. Terceiro, a meu ver, o Airton, não tem evoluído o suficiente o que todo o seu potencial futebolístico vaticinavam em 2009-2010. Quarto, Nuno Coelho sendo um jogador português e formado em Portugal, conta como formado localmente para as inscrições da UEFA, o que é nitidamente uma mais vantagem.

Airton está emprestado há duas
épocas ao clube que o fomos contratar.
Porquê essa estratégia? Quando
será aposta séria na Luz?
De uma coisa é certa, a solução mais racional e se calhar a mais indicada para o caso de ter-se que reforçar esta posição de médio-defensivo está aqui neste lote restrito de emprestados. Afinal de contas, é para isto que eles foram contratados!

Mas, nós já percebemos que o Benfica move muitos interesses terceiros e muito provavelmente irá haver indicações para procurar novos jogadores no mercado em Janeiro. Da minha parte, só admito irmos a esse mercado se houver uma oportunidade de negócio de um atleta com maior potencial que os mencionados, embora considere difícil essas oportunidades porque o mercado nessa altura do ano está demasiado inflaccionado (ninguém quer vender os seus melhores jogadores enquanto estão em competição) e  apenas estão a um bom preço aqueles que ninguém quer ou aqueles que não têm tanta qualidade assim.

De qualquer maneira, deixo-vos com a seguinte questão: quais os médios-defensivos com qualidade para titular do Benfica, que podem vir em Janeiro por um bom preço e de preferência Português?



PS: Entretanto, soube que o Leandro Pimenta não foi inscrito para a Liga dos Campeões... gostava de saber qual é a explicação, uma vez que segundo as minhas contas, não fazia mal algum... será mais um belo exemplo de gestão desportiva?

Sem comentários:

Publicar um comentário