27 novembro 2017

Estão a matar o...


... em Portugal.


Já não há pachorra para tanta mediocridade no futebol nacional. De um lado os chorões dos "pénaltis" inexistentes. Do outro os sonsos que tentam ficar "à frente da linha". O que os une? A mediocridade dos seus futebóis, que apenas se rivaliza com a mediocridade da nossa arbitragem nacional. Tirando uns quantos que realmente têm perfil para não se compactuarem com as guerras de força nos bastidores e o nepotismo reinante nestas organizações, a maioria só está lá para se servir do futebol e não para acrescentar valor.

É por estas e por outras que lances de futebol espectáculo, como aquele que daria origem ao verdadeiro segundo golo do Jonas na partida de ontem frente ao Vitória de Setúbal (podem ver em baixo), são anulados porque... sim! Interrompe-se o bom futebol, daquele que é raro neste rectângulo à beira-mar plantado e, que talvez por isso mesmo, leva a que os ingressos estejam muito caros, sem razão aparente. O mais certo é este tipo de artistas, que ganham bem mais por jogo do que o vencimento médio dos futebolistas das ligas profissionais em Portugal (reparem bem no que acabei de escrever, porque é a mais pura das verdades!), para depois terem estes grosseiros?! Ainda para mais numa altura em que a Liga de Clubes fez um investimento de milhões de euros para o vídeo-árbitro?!




Por isso é que o futebol português está falido e, desculpem-me, fedendo. Não é à toa que os públicos sentem repulsa pelo jogo praticado em Portugal. É por isso, que as assistências são cada vez menores. E, com isso, também as audiências para as transmissões televisivas, ainda para mais quando há tanto bom e melhor futebol para se ver. Pelo menos mais justo e mais transparente. Enfim, já ninguém tem paciência para aturar esta tribo do futebol nacional, que mais está interessada em enriquecer rapidamente à custa da modalidade do que propriamente desenvolver uma actividade de utilidade pública. Aliás, acho que é exactamente por aqui que o poder político deveria começar por questionar qual é realmente a utilidade pública destas entidades totalmente corrompidas?

Razão tinha o Rui Vitória quando na conferência de imprensa que antecedeu o embate com os sadinos, falou de que continuando com o estado das coisas do futebol nacional iriam destruí-lo. E, é a verdade. Estamos a alimentar uma cultura de mediocridade que nada serve o nosso futebol. E, o exemplo deste golo cantado interrompido por um pretenso fora-de-jogo que nunca existiu, que também não foi corrigido pelo "VAR", que provavelmente, nem irá reflectir-se na nota do árbitro, mas que é um erro gravíssimo com influência no resultado, nem sequer mereceu um cuidado especial dos meios de comunicação social. Estes também são outros que escarram todos os dias sobre o futebol, apesar de lamberem o mesmo prato. Que nojo... e ainda perguntam porque carga de água é que o futebol português desce de ranking da UEFA e que assim cada golo marcado por um Jonas vale 1.5 enquanto os marcados pelo Messi e Ronaldo valem 2. Será que não vêem que é o resultado desta cultura da mediocridade?! Até quando isto vai durar?



10 comentários:

  1. É verdade ,infelizmente em Portugal se perdeu o prazer do jogo , tudo é política , tudo parece se jogar fora do campo , eu próprio , que toda a minha vida gostei e joguei , estou ficando farto de futebol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pior, nem percebem que o melhor para eles é o melhor para todos...

      Eliminar
  2. António Madeira28/11/17, 16:02

    Mais um excelente tópico para reflexão.

    Quanto ao golo anulado ao Jonas, faz lembrar aquele que lhe anularam contra o Arouca em Aveiro. Ainda hoje ninguém explicou por que motivo foi anulado...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi para que o avançado do Porto ou do Sporting fosse o melhor marcador do campeonato e assim poder sair por um valor recorde... Penso que isso foi na altura ainda do Jackson Martinez. Não foi?

      Eliminar
    2. António Madeira29/11/17, 13:47

      Não, esse foi quando lhe anularam o golo limpo contra o Marítimo na última jornada na Luz, que deu o título de melhor marcador ao Jackson.
      Este em Aveiro foi logo no início do campeonato, na época seguinte.

      Eliminar
    3. Não estou a ver qual foi... Mas, não duvido pois estão sempre a anularem-nos jogadas de golo.
      😉

      Eliminar
  3. Grande post, PP.

    A anulação de um lance destes é um crime lesa-futebol!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o mais parvo é que ninguém fala...

      Eliminar