10 junho 2017

Só assim...


E, até onde o Cristiano nos levará?


Quando o tema é o Cristiano Ronaldo, a reacção só pode ser de amor e ódio. Conheço muitos Benfiquistas dos dois lados da barricada: aqueles que o admiram e aqueles que o odeiam. Estes últimos, na sua maioria, odeiam-no pelas atitudes juvenis aquando de um jogo entre o Manchester United e o Glorioso na Luz para a Champions há uns valentes anos atrás. Lembram-se do pirete? Pois bem, muita gente ainda se lembra. Pessoalmente, penso que esse encontro até lhe serviu de ensinamento de como separar o lado emocional do foco no jogo.

Admiro o futebolista Cristiano Ronaldo. Verdade que muitas vezes ele tem tiques que me irritam, como por exemplo, reclamar muitas vezes com os seus próprios companheiros. Mas, também é bem verdade que em muitas dessas situações faria o mesmo. Exemplo? Naquele fatídico jogo contra a Hungria no verão passado. Ele a marcar golos e a fazer um jogão lá na frente e os companheiros a dormir lá atrás... Quem é que não mandava vir com os colegas no sentido de estarem no topo do seu jogo? Bem, mas penso que todos nós o devemos admirar, mal não seja, porque ele é português e um exemplo de sucesso para uma nação tão pequena. Isto só por si já é de valorizar.

Mas, vou mais longe e, agora, acho que vou ser muito polémico. Na comparação entre ele e o Messi pelo título de melhor jogador do mundo, penso que é unânime que ele esta época foi o melhor. Contudo, a polémica não está aí. A polémica está em afirmar que considero o Cristiano mais talentoso que o Messi. Como sou capaz de escrever uma coisa destas? Simples. O Messi pode parecer que tem mais técnica e drible do que o Ronaldo. Basta vermos como ele joga no Barcelona, Como ele em Camp Nou pega na bola entre linhas, sobretudo sobre a meia-direita do campo e começa a serpentear adversários ao longo de uma diagonal da direita para a esquerda. O objectivo é sempre um de três: procurar o apoio frontal, procurar o passe para a penetração no espaço vazio do extremo ou lateral do lado contrário, ou finalizar. A eficiência com que ele faz estes movimentos no Barcelona dá-nos a falsa percepção de que ele realmente tem mais talento que o Ronaldo. Acontece que a prova dos nove encontra-se na selecção alviceleste, onde o rendimento do craque argentino não é de todo o mesmo. De facto, o que vale muito ao Messi é toda a arquitectura que lhe construíram à sua volta.

Reparem no golo do Paco Alcácer frente ao Alavés na final da Taça do Rei de Espanha. O Messi recebe a bola no corredor direito, a desmarcação do André Gomes como lateral permite a fracção de segundos necessária para o camisola 10 blaugrana acelerar e ganhar velocidade para driblar os restantes adversários. Mas, agora reparem em como o Paco busca o espaço para onde o Messi teria a única linha de passe que permitisse criar perigo para o Alavés. É este trabalho que o Messi tem, que o Ronaldo não possui. Bem, podemos argumentar que no Real o português tem o Benzena, mas não é disso que estou a querer falar. Estou a falar das dinâmicas de equipa. Do ataque posicional que o Messi sai muito favorecido e que o Ronaldo só agora começa a sentir alguns dos seus efeitos.

E, para isso muito contribuiu a conquista nacional no Europeu em 2016, mas, sobretudo, este Real Madrid do Zizou. Ontem vi o Ronaldo a jogar como o Jonas, a vir baixar no terreno, entre-linhas, pegar no jogo e decidir quase sempre bem. Um pouco como o Messi fazia quando jogava a "9,5". Jogando com outro avançado facilita-lhe esse aspecto do seu jogo, mas penso que podemos aproveitar o Ronaldo muito mais. Acredito que ele pode ser decisivo nos desequilíbrios ofensivos e na tomada de decisão, que ao contrário do que muitos falam, é muito boa. O que é preciso é criar o contexto perfeito para ele poder elevar ainda mais o seu jogo. Um pouco à imagem do que o Barça fez com o Messi. Quando o Real Madrid atingir na próxima época esse passo evolutivo (pois creio que é essa a visão do Zidane) e quando Fernando Santos colocar o Pizzi no meio-campo da selecção nacional, aí creio que veremos o Ronaldo atingir outro patamar. E, com a Taça das Confederações aí à porta, porque não sonharmos com esse título? Até lá restam apenas as invasões de campo por parte de crianças para o poder parar... mas, só por alguns momentos, porque há recordes a serem quebrados.



20 comentários:

  1. Messi é top 3 de sempre; Ronaldo é top 10. São as únicas diferenças. Dois grandes génios do futebol.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acho mais o contrário... ;)

      Eliminar
    2. ahahaha não pode! Deixa-te disso! :)

      Eliminar
    3. Olha que pode! ;D

      Eliminar
  2. O Messi nasceu jogador; o outro foi feito a martelo (tem muito mérito no esforço diário que faz para ser top, diga-se).
    O Messi tem magia, o outro tem força e outros atributos.
    São incomparáveis, porque, o Messi não tem comparação.

    Viva o benfica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Onde se lê: Viva o benfica, deve ler-se Viva o Benfica!

      Eliminar
    2. Ppimenta 6, já eu penso que ambos nasceram jogadores. E, entre os dois, até acho o Cristiano mais talentoso. Acho o Messi mais a peça certa na máquina certa, enquanto o Ronaldo é aquela peça que se adapta a toda a máquina.

      Para realmente aferir do potencial do Ronaldo, gostava que construíssem uma equipa à volta deste, mas uma equipa que fosse para dominar o futebol e não para jogar para o resultado, como aconteceu com o Mourinho. Penso que se o Zidane continuar no Bernabéu para o ano vamos ver um Real ainda mais de ataque posicional. E, aí sim, veremos onde o futebol do Ronaldo pode atingir.

      ;)

      PS: por vezes gostava de saber se o Guardiola tivesse treinado o Ronaldo, onde estaria o rapaz...

      Eliminar
    3. "Btw", penso que foi super pertinente a tua correcção. ;P

      Eliminar
  3. Concordo em absoluto com a tua análise da comparação Messi/Ronaldo. Cá por mim gostava de ter visto o que teriam dado os 2 na mesma equipa, é que por serem muito diferentes parecem-me perfeitamente complementares na forma de jogar, é fácil imaginar o Messi a fletir da direita para o meio e executar um passe a rasgar perfeito nas costas da defesa com Ronaldo a desmarcar-se em diagonal do outro lado para finalizar a jogada ; entre muitas outras jogadas que estes dois génios poderiam criar jogando na mesma equipa.

    De resto, uma coisa que me pareceu ficar clara no jogo com a Letónia é que o Ronaldo NÃO É ponta-de-lança, nem nunca será. Não por não poder desempenhar o papel de PL melhor do que praticamente qualquer outro jogador no mundo, como tem vindo a fazer esta época no Real Madrid, mas por ser um desperdício autêntico. Ele é capaz de muito mais do que um PL puro, já há muito tempo que não o via driblar tanto e tentar tantos remates de longe como no jogo contra a Letónia, simplesmente porque no Real Madrid tem vindo a jogar numa posição muito mais adiantada, o que é um desperdício na minha opinião (embora eu admire o trabalho fantástico que o Zidane tem vindo a fazer com aquela equipa, apenas não acho que ele aproveite o Ronaldo a 100%).

    O Ronaldo precisa é de liberdade de movimentação, nunca pode ficar fixo numa posição. Ou é 2° avançado ou é falso extremo, como sempre foi, começando a jogada a driblar a partir da ala em direcção ao meio e acabando-a dentro da área para finalizar (o 2° golo é a ilustração perfeita deste tipo de movimento). Mas nunca pode ser, na minha opinião, o jogador mais adiantado em campo, não é a melhor forma de aproveitarmos ao máximo o seu talento.

    Gostaria de vê-lo associado aos dois Silvas, o André e o Bernardo, no ataque. O primeiro por ser ponta-de-lança e ter um bom rendimento na Selecção, e o segundo por ser um autêntico cracalhão. Dessa forma ficávamos a variar entre um 4-3-3 com Bernardo Silva aberto na direita (como tem jogado no Mónaco) e Cristiano Ronaldo aberto na esquerda, e um 4-4-2 losango com o Bernardo na posição 10 a servir o Cristiano e o André. E no meio-campo, Pizzi por mim tinha lugar cativo na titularidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Spirited, imagina lá este quarteto fantástico: Messi à direita, Ronaldo à esquerda, Ibrahimovic e Jonas no meio... Isto era era para conquistar a Champions.

      Tal como tu referes, o Messi e o Ronaldo na mesma equipa seria qualquer coisa de fenomenal. Tenho plena certeza disso.

      Sobre o trabalho de Zidane com o Ronaldo, percebo a tua crítica, mas também temos de entender o contexto em que o CR7 encontra no Real Madrid. O Ronaldo lá é jogador para jogar todos os minutinhos. Por esse factor, o Zidane tem de saber gerir muito bem a energia do atleta. Jogar 3 jogos por semana ao ritmo que ele normalmente joga e para ter aqueles índices de eficácia e eficiência é preciso gerir muito, mas mesmo muito bem a sua energia. Talvez por isso o Benzena é o mais sacrificado, com mais trabalho defensivo que propriamente o Ronaldo. E, como o modelo do Real Madrid tem evoluído de um modelo de transições rápidas (herança de Mourinho e do Benítez) para um modelo de ataque posicional (se bem que ainda falta limar muitas arestas nesse campo), acaba por ser um modelo de desgaste energético superior ao do Barcelona do Messi. Exige portanto muito do jogador, pelo que o Zizou é inteligente na gestão de esforço do Ronaldo dentro do próprio jogo. Repara como na maioria dos jogos, a partir dos 60 minutos o Ronaldo fica como ponta-de-lança.

      Mas, atenção, ser ponta-de-lança não significa não ter mobilidade. Só em Portugal é que isso parece fazer escola. Talvez seja a herança perceptiva de um Jardel ou de um Cardozo. Contudo, um ponta-de-lança pode e deve ser muito mais do que isso. Deve procurar a mobilidade. Veja-se o caso do Suárez. Ou do Lewandowski. Ou do Aubameyang, entre outros.

      Na selecção nacional, estou a gostar de ver o Ronaldo com o André Silva. Acho que a dupla Ronaldo e Nani tem ainda muito potencial, sobretudo, se na sua retaguarda estiverem jogadores como o Bernardo Silva, Ricardo Quaresma, Pizzi e André Gomes. Este último poderia muito bem jogar na posição do William Carvalho e este descer para jogar ao lado do José Fonte.

      Daqui a um ano, possivelmente o melhor parceiro do Ronaldo na frente de ataque chegará: Rafa Silva.

      ;)

      Eliminar
  4. Estavas a ir tão bem com um post (o anterior) que subscrevi integralmente ;)

    O Ronaldo é o melhor jogador do mundo, mas o Messi é de outro mundo!

    PS Pelo menos não vieste com aquele disparate do doping que tanto ignorante anda por aí a espalhar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São opiniões. Acho os dois fabulosos jogadores. Não acho que o Messi tenha mais talento que o Ronaldo. A diferença é que o Messi actua numa banda filarmónica enquanto o Ronaldo numa banda de garagem. Se é que me faço entender com esta metáfora.

      Que situação é essa do doping?

      Eliminar
    2. Sim, essa metáfora é pertinente - e, nem mais importante, divertida ;)

      Mesmo assim, para mim Ronaldo é um dos melhores jogadores 'normais' de sempre, mas Messi é outra coisa, não está nessa categoria...

      A cena do suposto doping é o pessoal que confunde doping com tratamento médico, na infância, de um doente com deficiência de hormona de crescimento (ou outro distúrbio de crescimento), como tantas outras crianças com esses diagnósticos fazem, desde que tenham acesso a cuidados médicos.

      Eliminar
    3. * e mais importante, divertida

      Não sei donde veio aquele 'nem'

      Eliminar
  5. Mas quem é que se interessa por isto? Fala mas é do Benfica ou dos jogadores do Benfica!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E falo, nas entrelinhas, do Pizzi!
      #TiraOMoutinhoEColocaOPizziÓNandinho

      ;P

      Eliminar
  6. Não vi o jogo da seleção, à mesma hora jogava o nosso basquetebol contra o Dragon Force... mas ao ver os jogadores utilizados pelo Fernando Santos lamento as não utilizações do Nelson Semedo e do Pizzi, na minha opinião deveriam ser titulares indiscutiveis da seleção. Em que mundo o Cedric e o Moutinho de agora são melhores que eles?

    Sobre a discussão de quem é melhor, Ronaldo ou Messi... penso que são os dois grandes jogadores com estilos diferentes. Não sinto a necessidade de estabelecer uma hierarquia.

    Só não tenho mais simpatia pelo Ronaldo por algumas atitudes que ele foi tendo ao longo da carreira, especialmente esse tal pirete em pleno Estádio da Luz naquela mitica noite europeia contra o Manchester United. Quem falta ao respeito aos Benfiquistas muito dificilmente ganhará o meu total respeito. Mas, apesar desse episódio, penso que é desonestidade intelectual não reconhecer o grande jogador que é.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também acho que o Pizzi e o Semedo serão titulares de caras nesta selecção, mas penso que o Fernando Santos não os coloca por uma questão de estatuto na equipa. De certo que irão ganhar o seu espaço mais tarde ou mais cedo. Aliás, esta taça das Confederações tem toda a imagem desses dois jogadores a conseguirem a titularidade na selecção nacional. O próprio Bernardo Silva ainda não conseguiu entrar no onze...

      Eliminar
  7. E entretanto, a ver se a La Vino Tinto dá a volta a isto nos sub-20... ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim é difícil...

      https://www.youtube.com/watch?v=q9hUVD7zQ3U

      Eliminar