28 maio 2017

Que o Benfica...


... voe bem alto hoje no Jamor!


Hoje é dia de romaria, no vale do Jamor. Uma verdadeira festa de confraternização, de família e cujo ponto alto do dia é o jogo da final da prova rainha do futebol português: a Taça de Portugal. É um jogo que simboliza o culminar de uma extensa época desportiva, daí que haja um carácter festivo.



O tempo e sobretudo as gentes também pintam a tela deste ambiente altamente saudável, ou pelo menos, que se pretende saudável. Um pouco como o anúncio acima com Vítor Paneira e Neno, dois ex-jogadores que já actuaram tanto pelo Benfica como pelo Vitória de Guimarães. Mas, também é uma competição muito importante para os clubes, conforme podemos ver pela seguinte apresentação da Federação Portuguesa de Futebol.



Esta temporada os finalistas são o nosso querido Glorioso e os Conquistadores do Minho, o Vitória de Guimarães. Vitória esse que, há duas semanas na Luz, saiu copiosamente derrotado por 5 a 0, naquela que foi para muita gente a melhor exibição encarnada da temporada. O vendaval de bom futebol encarnado não deu espaço para o Vitória de Pedro Martins esboçar qualquer tipo de resposta e se a manita imposta pelas papoilas saltitantes nessa tarde festiva na Luz, já era um resultado volumoso, também é bem verdade que Jonas e companhia limitada foram muito perdulários em frente à baliza vitoriana, tal o caudal ofensivo dos encarnados. Mas, hoje as coisas vão ser diferentes. Trata-se de uma final. De uma final muito bem preparada pela Federação Portuguesa de Futebol, conforme podemos ver pelo vídeo anterior, mas também com o vídeo seguinte com os dois técnicos finalistas a falarem à mesma mesa.



Mas, não esquecer que esta final até tem uma história recente entre estes dois clubes e com um final bem distinto daquele que assistimos na tarde de 13 de maio. No final de 2013 o Benfica estava em posição de ganhar tudo, mas acabou por perder tudo campeonato, liga europa e taça de Portugal. Esta última para o Vitória de Guimarães, então treinado por Rui Vitória. Foi a final em que o Cardozo pede justificações ao Jesus pela forma como abordou o encontro e fez as substituições.



No entanto, acredito que hoje será diferente. Acredito que os comandados de Pedro Martins possam querer mexer com a cabeça dos jogadores encarnados evocando essa final, No entanto, se há coisa que o Benfica de Rui Vitória tem de bom, é que não acusa receios nos grandes momentos. Aliás, olhando para a tal exibição do dia em que Portugal ganhou pela primeira vez o festival da eurovisão, podemos até afirmar que é nestes momentos que os comandados do Vitória melhor se expressam dentro das quatro linhas. É disso que estou à espera esta tarde.



Mas, quem é que o Rui vai lançar de início no Jamor? Será o mesmo onze que defrontou o Guimarães no dia que o Papa esteve em Fátima? Jogará com o Ederson na baliza, possibilitando ao guardião brasileiro uma "despedida" em grande? Ou será que irá apostar no Júlio César? No meio-campo, será que vai apostar no Samaris até para provocar algumas hostes que nos tentam mandar abaixo fora das quatro linhas? Ou será que vai-se manter fiel ao amuleto Fejsa para trancar os contra-ataques vitorianos? Já nas alas, Salvio e Cervi como no jogo do tetra? Ou Zivkovic e Rafa que foram muito importantes nesta caminhada rumo ao Jamor? E, lá na frente, quem fará companhia ao camisola 10? O 9 ou o 11?



Olhando para a conferência de imprensa antevejo poucas mudanças relativas ao onze que defrontou os vitorianos na festa do tetra. Na baliza, e apesar de que gostaria de dar a titularidade ao imperador, preferia apostar na despedida do Ederson nesta final - Júlio, sempre podes ser o titular na supertaça em Agosto, o que achas? O quarteto defensivo seria o habitual titular: Nélson Semedo e Grimaldo nas laterais direita e esquerda, respectivamente, e Luisão e Lindelöf no centro. Para a dupla de meio-campo ainda equacionei a entrada a titular de Samaris, mas se o Fejsa está pronto, então que seja ele a jogar ao lado do Pizzi. O grego poderá entrar depois noutra fase do jogo. Nas alas, é onde faria uma mexida. Olhando para a conferência de imprensa, é muito provável que o Salvio tenha a titularidade garantida na asa direita. Mas, na asa esquerda eu apostaria no Rafa. Já na época passada fez um jogão no Jamor e depois do que jogou no Bessa, dava-lhe essa oportunidade. Quiçá não estará aqui o novo herói da Luz e a chave do sucesso nesta final? Notar que não é que o Cervi tenha estado mal, mas é uma forma de criar um ascendente emocional num jogo tão importante como este. Salientar que pensei no Zivkovic, para o lugar do Salvio, mas penso que o miúdo poderá entrar numa fase mais adiantada do jogo. Ele ou o Cervi! Quanto à dupla atacante, apostaria em Jonas e Jiménez. O Kostas seria o peso pesado para lançar durante a 2ª parte.

Onze titular, táctica e possíveis substituições para a final
da prova rainha desta tarde, frente ao Guimarães.

Sem comentários:

Publicar um comentário