10 outubro 2014

«Há algo muito mais escasso, fino e raro que...


É o talento para reconhecer o talento.»
Elbert Hubbard


Penso que as palavras do escritor e filósofo norte-americano são bem invocadas quando olhamos com sentido crítico para a exibição da selecção nacional sub 21 frente à congénere holandesa. Ao vermos jovens jogadores portugueses, cuja maioria é marginalizada nos relvados nacionais, a vencerem de forma categórica - e sem espinhas, como diriam alguns - uma selecção europeia muitas vezes elogiada como a maior escola de talentos europeu, deveríamos ficar a pensar porque raio é que se prefere apostar no talento estrangeiro em vez do nosso?

Muito sinceramente, penso que o problema não está de todo em saber reconhecer talento por parte das equipas técnicas do futebol profissional nacional. Com certeza que sabem fazê-lo. Por isso é que vão "garimpando" jovens jogadores por todo o globo. A questão é que não estão a olhar para o talento nacional com olhos de se ver. E isto é um facto!

A desculpa de que o talento nacional é inferior ao estrangeiro, esbarra-se com estes resultados das nossas selecções jovens, recheadas de jovens jogadores, cuja maioria só encontra colocação na 2ª liga nacional - salvo raras excepções, como Bernardo Silva, Ivan Cavaleiro, Bruma, entre outros que estão nas principais ligas europeias.

A única resposta lógica parece-me vir dos interesses dos bastidores do futebol profissional. Cada vez mais me convenço que quando se refere a "futebol profissional" refere-se a um "grupo de amigos com interesses próprios e que descobriram no futebol uma forma de enriquecimento rápido à base de negociatas e de negócios da China (leia-se, negócios que transformam 1kg de batatas em um 1kg de ouro)". Só assim se percebe, porquê os talentosos jovens portugueses não têm oportunidades em detrimento de muita estrangeirada de qualidade dúbia. 

Se adicionarmos a esses interesses, o facto de esta gente ter gente amiga nos media capazes de irem fazendo publicidade positiva aos seus representantes estrangeiros de qualidade duvidosa, a pluridade das pessoas irão acreditar naquilo que dizem... pelo menos nas primeiras impressões. Impressões essas que podem durar uma ou duas épocas... até porque depois torna-se muito difícil para as pessoas acreditarem que o seu clube do coração fez um negócio ruinoso. O que não faltam são casos desses!

Voltando ao assunto do jogador nacional, é todo este massivo "modus operandi" que faz com que depois os resultados da nossa selecção nacional sejam paupérrimos, quando comparados com as últimas duas décadas. Mais, as pessoas esquecem-se que são as exibições e os resultados da nossa selecção nacional que trazem divisas para que possamos ter uma federação e ligas com recursos para organizar melhores eventos.

8 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  2. É verdade tudo o que escreves, mas sinceramente já começo a ficar farto de associarem os problemas da formação em Portugal ao Benfica, quando é o Benfica que mais tem feito pela formação em Portugal nos últimos 10 anos, mais uma vez o Bernardo Silva serve de arma de arremesso à estrutura do Benfica quando isso não se justifica.

    Bernardo Silva não tinha lugar no plantel do Benfica esta época e o seu empréstimo foi o melhor para ele crescer como jogador e como homem, para isso nem precisa de jogar muito no Mónaco, temos o exemplo do Rodrigo que rodou numa equipa inglesa, pouco jogou e o seu empréstimo não deixou de ser um sucesso.

    Rodar numa equipa do campeonato francês vai fazer bem ao Bernardo, o problema é que surgiu o rumor da sua venda ao Jorge Mendes e a partir desse momento todos falam como o Bernardo já não seja do Benfica, o que não é verdade... se o jogador sair no final da temporada darei o braço a torcer e ficarei obviamente desapontado, mas se ele acabar por voltar ao Benfica, nesse caso muita boa gente da comunicação social e de blogs que se dizem benfiquistas vão ter de explicar mais uma especulação corrosiva contra o Benfica... veremos!

    Até lá espero que o Bernardo continue a sua evolução como jogador, o meio-campo do Benfica vai obviamente sofrer alterações, em Janeiro ou no final da época e se o Bernardo explodir como atleta certamente terá lugar no plantel da próxima época, até lá deixem de divagar sobre um jogador que ainda tem muito que crescer e que ainda está longe de preparado para ter lugar no Benfica.

    Saudações.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. João Ratão11/10/14, 12:13

      Concordo contigo, deixem o rapaz crescer e no final da temporada veremos se volta ao Benfica ou não, se isso não acontecer cá estaremos para falar, agora estar sempre a falar da mesma coisa é dar pérolas a porcos, pois eles andam aí a espiar e depois queixem-se das capas de jornais como a capa de A Bola que atirou pedras ao Benfica após a vitória da seleção de Sub21.
      Acordem caralho e deixem-se de merdas.

      Eliminar
    2. Amigo Papoilas e João Ratão,

      Vão ter que me desculpar, mas em que momento eu foco no Bernardo Silva ou sequer no Benfica, neste artigo?

      Sei que este é um blogue do Benfica, mas é sobretudo de futebol. Sei também que coloquei uma foto em que o Bernardo Silva dá uma "nozada" ao defesa holandês. Contudo, o artigo visa algo muito maior que o futebol do Benfica, do Porto, do Sporting ou de qualquer outro clube.

      Este artigo é um desabafo àquilo que vejo acontecer ano após ano, nas últimas décadas no futebol português.

      Quem conhece o meio, perceberá bem as críticas que aqui faço. São as negociatas que começaram na década 90. São as escolhas de jogadores por cardápio, para favorecer agente A, B ou C que é amigo da ex-glória X ou Y de clube Alfa, Beta ou Gama.

      Eliminar
    3. É verdade tudo o que escreves...

      Eliminar
    4. Não sei se estás a ser irónico ou não, daí que te pergunte o seguinte Papoila: não achas que a maioria dos clubes nacionais deveria aproveitar melhor os nossos jovens?

      Mesmo que os clubes grandes como o Benfica não consiga absorver todos os seus jovens de grande qualidade, não achas que os clubes de média e até de pequena dimensão da 1ª liga, poderiam ser os primeiros a virem buscá-los, isto se não apostassem igualmente nos seus jovens formados?

      Não. Preferem sempre estrangeiros. Porque será?

      Qualquer que seja o prisma sobre o problema que aflige o futebol nacional, vejo sempre uma razão que explica todos esses cenários e que mencionei no artigo acima.

      Eliminar
    5. Não estava a ser irónico, se reparares foi com esta afirmação que comecei o meu primeiro comentário, concordo com tudo o que dizes, mas estou a ficar cansado desta treta da formação e com a pedradas que vão mandando ao Benfica, quando este tem sido o clube que mais tem feito pela formação em Portugal nos últimos 10 anos... todo este barulho em volta da formação tem prejudicado e muito o Benfica e principalmente Jorge Jesus, que agora já é rotulado como um treinador que não aposta em jovens portugueses, quando ainda na época passada apostou seriamente em André Almeida e André Gomes e Ivan Cavaleiro, todos eles internacionais pela selecção A graças a Jorge Jesus e o resto é conversa!

      JJ afirmou que foi o Bernardo que pediu para sair e pelo vistos era bem verdade, Bernardo Silva acabou de confirmar que quis sair do Benfica para crescer como jogador, a ver vamos se volta ao Benfica, mas neste momento ele é jogador do Benfica e o resto mais uma vez é treta dos pasquins e de alguns blogs que se dizem benfiquistas e que erram constantemente nas suas previsões.

      Repito para ficar bem claro... concordo com o que dizes, mas talvez esteja na hora de mudar de assunto e esperar para ver o que vai acontecer no final da época com os jovens emprestados pelo Benfica, até lá não vale a pena oferecer pérolas a porco, pois é exactamente isso que está a acontecer como prova a capa do jornal A Bola depois da vitória dos Sub-21 na Holanda.

      Saudações companheiro.

      Eliminar
    6. Ó Papoilas, esquece isso. Se não fosse pela formação seria por outra coisa qualquer... é a função deles. O Benfica pela sua grandeza é e será sempre alvo de ataques.

      Sinceramente, vejo o Jesus como um gestor de topo que tem de apresentar resultados à mesa da assembleia dos principais accionistas de uma grande multinacional, com base nos recursos que esses mesmos accionistas lhe colocam sobre a mesa.

      Se lhes dão Di Marias e Ramires, ele faz obra. Se lhe derem Bernardos Silvas e Nélson Oliveiras ele é bem capaz de fazer obra também, dado o potencial deles. Agora, a diferença está naquilo que referi ao longo destes comentários.

      A quem poderá interessar mais que se invista num jogador contratado ou num da formação? E, porque motivos? Para mim é fácil: basta seguir o rasto do dinheiro, porque no final é disto que se está a falar.

      O Bernardo Silva quis sair para ter oportunidades, visto que no Benfica, não seria sequer terceira opção. O Nélson decidiu ficar, mas sinceramente, custa-me a vê-lo como 4ª ou 5ª opção para o ataque. Como se pode evoluir assim? Eu só espero que em Janeiro hajam saídas nesse sector, pois é gente a mais para apenas 2 posições.

      "O esperar para ver o vai acontecer no final da época..." tem muito que se lhe diga. Não sou daqueles que se as coisas correrem mal para o Benfica virei cá para dizer que com os da formação poderia ser melhor. Ou até mesmo o contrário. Isso é algo que nunca iremos saber. O que critico aqui é a política desportiva que o clube tem com a nossa formação, pois as desculpas que nos dão, posso eu muito bem refutá-las facilmente. E, isso é algo que eu já faço desde o início das temporadas.

      Num campeonato como o nosso, em que há um fosso cada vez maior em termos qualitativos entre as grandes equipas e as restantes, é normal que seja essa diferença de qualidade a ganhar boa parte dos jogos, o que camufla muitas decisões técnicas. Só nos jogos mais renhidos é que vemos as reais fragilidades e conseguimos separar o trigo do joio.

      Mesmo, que os jovens benfiquistas não vinguem lá fora, não direi que não têm qualidade. Quando há talento e força de vontade, algo que todos eles possuem, são os contextos em que estão inseridos que poderão fazê-los crescer e triunfar. Sinceramente, com um Jesus na Luz, esse contexto deveria ser sempre no Benfica para esses jogadores.

      Hoje na entrevista, Jesus falava que precisaria de 3 anos com os mesmos jogadores para atingir uma final da Liga dos Campeões (não foi assim tão directo, mas foi algo do género). Agora imagina que Ivan Cavaleiro, Bernardo Silva, João Cancelo e Nélson Oliveira estivessem 3 épocas consecutivas de águia ao peito. Será que não conseguiriam ficar esse tempo na Luz?

      O Di Maria, que é o Di Maria, ficou 3 temporadas antes de ser vendido.

      Eliminar