07 julho 2015

Rescaldo da Copa América


Um artigo que visa analisar a mais importante competição de selecções do continente sul americano.



Disputada no Chile, a Copa América de 2015, revelou um futebol Sul Americano intenso, agressivo, aguerrido,... muito coração, mas com pouco futebol mágico. Caso para perguntar: onde está a magia dos astros sul-americanos?

Não deixa de ser curioso que dos 4 semi-finalistas, apenas constava a talentosa selecção Argentina. Perú, Paraguai e Chile completavam esse quarteto. As maiores desilusões da prova foram sem sombra de dúvidas o escrete canarinho e a Argentina de Messi. O Brasil outrora selecção de enorme nota artística está actualmente confinado ao talento de Neymar. Dunga parece continuar a desprezar o "pedegree" Brasileiro e tentar transformá-lo à força numa máquina de futebol Europeu defensivo. Por outro lado, a alviceleste pelo andar da carruagem também vai pelo mesmo caminho tal o foco do seu jogo em Messi e utilização de duplo pivôt defensivo. Ainda está para explicar-se o amor que tanto Sabella e Martino têm pelo Biglia.

No entanto, nem tudo vai mal. A Colômbia, o Chile, o Perú e também o Uruguai, procuram dentro dos respectivos estilos agressivos tentar fazer algo mais com a bola nos pés, sobretudo as duas primeiras selecções. Estão de parabéns José Pékerman e Jorge Sampaoli, respectivamente. Curiosamente dois Argentinos com competência para fazer mais e melhor que o Tata Martino.  As últimas duas selecções referidas ainda preferem o jogo do "contra".

Um factor transversal a todas as equipas é a recorrência excessiva do transporte de bola por quase todos os jogadores sul-americanos, mesmo daqueles que já jogam na Europa à várias temporadas. Estes, parecem mudar de "chip" quando vão para aquelas paragens. Por conseguinte, o jogo torna-se muito partido, confuso, quezilento e cheio de paragens. É difícil ver jogadas de toque rápido e com princípio, meio e fim. Mais fácil é ver um roubo de bola a meio-campo e o consequente contra a alta velocidade, ou então uma jogada de bola parada. Enfim, como já tinha escrito, pouca magia!

Na figura abaixo consta o melhor onze eleito pela competição da Copa América. Na minha opinião, o melhor onze seria outro, formado pelos seguintes jogadores e em 4-3-3 que se poderia desdobrar facilmente num 4-4-2:

  • Guarda-Redes: David Ospina
  • Lateral Direito: Mauricio Isla
  • Defesa Central Direito: Gary Medel
  • Defesa Central Esquerdo: Jeison Murillo
  • Lateral Esquerdo: Marcos Rojo
  • Médio Centro Direito: Arturo Vidal
  • Médio Centro: Juan Manuel Vargas
  • Médio Centro Esquerdo: Ángel Di María
  • Avançado Direito: Lionel Messi
  • Avançado Centro: Paolo Guerrero
  • Avançado Esquerdo: Alexis Sánchez
Melhor onze e treinador da Copa América 2015.




P.S.: À atenção do departamento de "Scouting" encarnado, o polivalente canhoto peruano, Juan Manuel Vargas, está neste momento sem qualquer ligação contratual, depois de várias temporadas no Calcio Italiano ao serviço de equipas como a Fiorentina. Pode jogar como lateral esquerdo, médio esquerdo e até mesmo médio centro, ou seja, faz todo o corredor. É um jogador explosivo, tecnicista, intenso e inteligente tacticamente. É a par de Paolo Guerrero, o melhor jogador da selecção do Perú. Possui experiência como internacional A do seu país, mas também das principais Ligas Europeias, incluindo a "Champions". Embora já com 31 anos, penso que tem futebol para pelo menos mais 3 temporadas. Estou certo que seria um reforço para a nossa lateral esquerda. Depois de a outra solução de qualidade do mercado a custo zero ter terminado a sua carreira desportiva - escrevo do Alemão Marcell Jansen - espero que o Vargas seja um nome a equacionar neste defeso. Fica aqui a sugestão. 

Sem comentários:

Publicar um comentário